Perfil: Atari

domingo, 4 de abril de 2010 Postado por Tristan.ccm

Estréia: 1972, com o arcade Pong




Maior sucesso: o console Atari 2600, lançado em 1978



Último lançamento: o MMO Star Trek Online, em 2010

O engenheiro eletrônico Nolan Bushnell já era um apaixonado pelos computadores quando viu, pela primeira vez, o jogo Spacewar, considerado o primeiro game da história. Foi paixão à primeira vista, mas o jogo requeria um computador enorme para rodar, o que levou Bushnell a tomar todo o quarto de sua filha com aparelhos eletrônicos. Objetivo: criar uma máquina que rodasse Spacewar mas que tivesse um tamanho relativamente pequeno. Foi assim que surgiu Computer Space, o primeiro arcade da história. O problema é que o jogo não era lá muito simples, e as vendas dele foram bem baixas.

Bushnell, porém, não se deu por vencido: saiu da empresa em que trabalhava e fundou, junto com o amigo, Ted Dabney, uma empresa para produzir arcades com um nome bem esquisito: Syzygy. O mais hilário é que já tinha uma empresa com o mesmo nome! Assim, a empresa de Bushnell e Dabney passou a se chamar "Atari", uma palavra que vem de um antigo jogo de tabuleiro oriental chamado Go e que equivale ao "xeque-mate" do Xadrez.

Como o público achou Computer Space complicado, o primeiro arcade da Atari investia na simplicidade de uma partida de pingue-pongue: Surgia Pong, mas a empresa tinha que fazer um teste para ver se ele não naufragaria como seu antecessor, e decidiu colocar um protótipo num bar chamado Andy Capp's Tavern.

Eis o anúncio original da máquina de Bushnell. Repare que uma das qualidades ressaltadas era a "simplicidade dos controles"

Foi então que o telefone de Bushnell toca no meio da noite. Irritado, o dono do bar reclamava que "não faz nem uma semana e sua máquina já quebrou!". Ao verificar o ocorrido, a surpresa: o defeito estava no cofre que guardava as moedas que a máquina exigia, cheio até a boca!! Algumas estavam até dobradas pelo peso das que ficaram por cima. Era a prova que Bushnell precisava para ver que seu jogo seria um sucesso.

De fato, Pong vendeu mais de 10 mil unidades, isso sem contar os inúmeros clones e variações. O caminho de sucesso da Atari estava pavimentado, e o próximo passo da empresa era rumo à última novidade nesse ramo: os consoles domésticos. O primeiro console, o Atari VCS, não fez tanto sucesso, e seu sucessor, o Atari 2600, começou vendendo pouco, o que levou a um atrito entre Bushnell e a direção da Atari (na época, a empresa havia sido vendida para a Warner), o que o fez ser demitido.

A demissão de Bushnell aparentemente fez bem à Atari, pois o console começou a vender feito água. Em parte, o sucesso veio de um marketing agressivo da Warner em cima do console, aliado a uma quantidade massiva de novos jogos e acessórios. Porém, o console é cultuado até hoje, seja por quem teve (meu caso), seja por quem conheceu ele depois. Durante muito tempo, nosso país chamava videogame de Atari com a mesma naturalidade que chamamos lã de aço de Bombril e absorvente de Modess.









Enquanto no resto do mundo o Atari 2600 começou com detalhes em madeira (esquerda), no Brasil ele foi lançado num estilo "black piano" (direita) que rendeu ao console o apelido de "Darth Vader"

É, mas tudo o que é bom acaba um dia, e a Atari começou a cometer erros que muitos líderes cometem: o primeiro erro foi achar que a marca se venderia sozinha, e a qualidade de seus jogos foi parar lá embaixo, gerando o já comentado "crash de 1984". O segundo foi achar que sua liderança era intocável e não se renovar, com isso a concorrência foi chegando perto.

Um belo dia, com o mercado de games já praticamente destruído, uma empresa japonesa ofereceu à Atari as vendas de um novo console, em muito superior ao já ultrapassado 2600. Eles se recusam, afinal já tinham um novo console, o 7800 (entre eles existiu o 5200, que não vendeu nada). Uma manobra aparentemente acertada, pois logo depois eles ficam sabendo que os japoneses estavam oferecendo seu console independentemente com a garantia de recomprá-los caso não vendessem. Eles devem ter rido por algum tempo, porém logo o NES, console que haviam recusado, já ocupava o posto de queridinho da América.

A Atari se tocou que é preciso qualidade pra se vender videogames, pois seus antigos fãs despudoradamente haviam trocado Pac Man por Mario. A primeira tentativa foi com o portátil Linx, criado para desbancar o Game Boy e o primeiro de seu gênero com tela colorida. Embora exitam os que o consideram o melhor portátil da história (tem louco pra tudo...), pra mim ele apenas liderou a fila de felinos anêmicos da Atari: depois dele, vieram o cancelado Panther e o fracassado Jaguar, que mentiam a quantidade de bits pra ver se pegavam uns otários e conseguiam vender alguma coisa.

A Atari já vinha ladeira abaixo, e com o Jaguar a descida virou queda livre. A empresa acabou se desintegrando, com suas divisões indo uma pra cada empresa. Hoje, a marca pertence à Infogrames, que a comprou em 2001, que a converteu em softhouse e a fez recuperar um pouco do sucesso do passado, graças a títulos como as séries Alone in the Dark, Dragon Ball Z Budokai, Driver e Test Drive, entre outras. Sua atual aventura é nos jogos massivos online, com o lançamento em fevereiro deste ano de Champions Online e Star Trek Online. Resta saber se um dia teremos o nome Atari novamente ligado aos games ou se esse será o último suspiro de uma lenda.

CURIOSIDADES SOBRE A ATARI

- Nem só de consoles vivia a Atari, que também se aventurou com o computador pessoal Atari ST (e sua versão profissional, Atari MEGA ST) e com o palmtop Atari Portfolio. O primeiro até que foi bem, mas o palm da Atari teve tanto sucesso quanto o Jaguar.

- Como todo console antigo, o 2600 também tem emuladores e ROMs, mas se você quer conhecer ou relembrar de alguns jogos clássicos do console, pode jogá-los direto no seu browser, basta clicar aqui, escolher o jogo e se divertir (requer Java para funcionar)


Comente com o Facebook: