The Legend of Zelda: Link's Awakening (Game Boy)

sábado, 26 de março de 2011 Postado por Tristan.ccm

Gênero: RPG


Fabricante: Nintendo


Lançamento: 1993


Jogadores: 1 player





A idéia de levar Link & cia para o portátil existia desde 1989, quando a Big N planejava uma versão do primeiro jogo da série para ele, porém com o fracasso do segundo jogo da série para NES a Nintendo temia que a série estava com os dias contados. Felizmente Myiamoto não é chamado de "gênio" à tôa, e o terceiro jogo da série, A Link to the Past, revigorou a saga de Hyrule, permitindo que os planos para o primeiro Zelda de bolso avançassem. Entretanto, ao invés de simplesmente portar o novo jogo para o "tijolão", a galera da Nintendo decidiu criar um jogo totalmente novo, feito especialmente para o portátil: assim surgiu Link's Awakening.
No enredo, tudo novo, nada de Zelda ou Triforce: após a derrota de Ganondorf no game do SNES, Link parte de Hyrule numa jornada em busca de conhecimento (se ele recebeu a visita do ET Bilu, isso jamais saberemos...), porém nem tudo são flores na vida do elfo orelhudo, e uma tempestade faz seu barco naufragar. Isso faz com que o herói acabe na ilha de Koholint, onde a jovem Marin e seu pai, Tarin, cuidam do herói. Ao despertar na casa deles, Link recebe seu escudo de volta e é avisado que sua espada ficou na praia, onde Marin o encontrou desmaiado. Link vai até lá e recupera a arma, e nesse momento uma coruja chamada Hoot-Hoot aparece e revela que o jovem jamais poderá deixar a ilha enquanto Wind Fish, o guardião de Koholint, estiver dormindo. Para acordá-lo, Link deverá reunir os oito instrumentos musicais sagrados e tocá-los em frente ao ovo onde o Wind Fish dorme, no topo da montanha Tal Tal. Porém, os instrumentos estão sendo guardados por pesadelos comandados pelo vilão Dethl, que precisa manter o Wind Fish dormindo a todo custo. O motivo? Jogue e descobrirá!
A jogabilidade é um pouco diferente do que vinha aparecendo na série: primeiro pelo fato de cada um dos dois botões ser totalmente customizável (nos jogos anteriores, um deles era obrigatoriamente equipado com a espada), outra pelo escudo não ser mais automático (é preciso equipá-lo num dos botões e manter pressionado para rebater os ataques do adversário). Além disso, o jogo permite mesclar o efeito de duas armas diferentes, equipando uma em cada botão (por exemplo: equipando ao mesmo tempo as bombas e o arco-e-flecha e apertando os dois botões juntos, Link dispara flechas explosivas). No mais, a jogabilidade é a mesma do jogo do SNES, exceto em alguns túneis das dungeons, onde a jogabilidade é a mesma de Zelda 2 (ou seja, plataforma 2D), só que aqui não dá raiva controlá-lo, é até divertido jogar em estilo Mario nessas fases.
Por falar no encanador, Link's Awakening está repleto de referências aos jogos do bigodudo: além das já citadas plataformas, temos o personagem Tarin (praticamente um Mario sem boné), um Chain Chomp disfarçado de cachorro, inimigos vindos diretamente do Reino dos Cogumelos (Goombas, Piranha Plants, etc.) e até mesmo um rato fotógrafo muito parecido com o vilão Mouser, de Super Mario Bros 2. Tal rato só aparece na versão DX, feita para o GBC: além do rato e de ser colorido, Link's Awakening DX vinha com uma dungeon extra (que premiava com uma roupa que aumentava a defesa) e era compatível com a Game Boy Printer, a impressora do console que permitia imprimir as fotos que o rato tira durante o jogo. No mais, o jogo é o mesmo da versão em preto-e-branco: dungeons cheias de quebra-cabeças complicados, juntar rupees para comprar os itens necessários e ficar correndo atrás dos itens para trocar (sequência que o premia com o clássico bumerangue). Apesar de ser considerado por muitos como um "spin-off", o jogo é bom não só para os fãs de Zelda, mas também para quem procura um bom jogo para o portátil imortal da Nintendo mas está cansado de treinar monstrinhos ou encaixar blocos.



NOTA FINAL: 9,5
LINK'S AWAKENING NÃO É O MAIS FAMOSO DOS ZELDAS, MAS É UM BOM JOGO CLÁSSICO DA SÉRIE. RECOMENDADO PARA QUEM É FÃ E PARA QUEM QUER SER FÃ!
Plataforma:


Comente com o Facebook: