Marvel Super Heroes in War of the Gems (SNES)

terça-feira, 9 de junho de 2015 Postado por P.A.


Gênero: Ação / Plataforma


Fabricante: Capcom


Lançamento: 1996


Jogadores: 1 player





Essa semana finalmente assisti "Os Vingadores 2: Era de Ultron". Moro numa cidade pequena e a demora pros filmes chegarem no cinema daqui é imensa... E pra quem ainda não assistiu, faça um favor a si mesmo e vá assistir, pois é do C-A-R-A-L-H-O! Tirando a parte em que o Gavião Arqueiro morre e... Ops!

Depois de ver o filme resolvi fazer um análise de algum jogo dos Vingadores. Iria fazer do jogo lançado pra SNES e Mega Drive intitulado "Captain America and the Avengers", mas não estou com saco pra jogar aquele aborto da mãe natureza, então resolvi fazer análise desse jogo aqui, que joguei muito quando era moleque transante.

A história é baseada em dois arcos das HQs: "A Manopla do Infinito" e "Guerra do Infinito". Eu não sou leitor de HQs, mas pelo que pesquisei o jogo é bem fiel à história.
Toda a história gira em torno das Joias do Infinito. Cada joia tem um poder diferente (tempo, poder, mente, alma, realidade e espaço), e é dito que aquele que conseguir reunir todas elas pode dominar o universo. Adam Warlock avisa que alguém esta planejando reunir todas elas e convoca os heróis mais poderosos da Terra pra ajudá-lo a impedir que elas caiam em mãos erradas. O supercomputador das indústrias Stark mostra a possível localização delas em diferentes pontos do planeta Terra e agora cabe aos heróis ir em busca delas!


Seleção de fases / Seleção de personagens

A primeira coisa que se nota ao iniciar o jogo, é que ele te dá a liberdade de escolher a fase que quer jogar, sem uma ordem fixa. Quatro fases estão disponíveis inicialmente, e ao passar por elas, novas fases irão surgir. Assim como as fases, o jogo também deixa você escolher qual herói quer usar - Capitão América, Hulk, Homem de Ferro, Homem-Aranha ou Wolverine. Cada personagem tem sua característica: Hulk e Homem de Ferro são mais fortes, porém são um pouco mais lentos. Wolverine e Homem-Aranha por sua vez são mais fracos, porém são mais rápidos e podem escalar paredes. Capitão América é o mais balanceado de todos.
Vale citar também que cada personagem tem alguns golpes especiais (soltar teia, lançar o escudo, atirar lasers, etc) que não são difíceis de serem aprendidos. Porém o golpe secreto que só pode ser usado com alguma joia equipada é muito difícil de ser desferido! Tarefa para poucos.

Existem alguns itens espalhados pelas fases. Alguns itens de cura tem utilidade na própria fase recuperando sua energia assim que pegá-los, outros são coletados mas só podem ser usados na tela de seleção de personagem. Isso porque seu personagem vai ficar com a quantia de energia que terminar a fase; portanto se quando você derrotar um chefe estiver com pouca vida, ao escolhê-lo novamente pra jogar em outro cenário, ele estará exatamente com a quantia de vida que terminou a fase anterior e não com a vida cheia.
Nessa tela também é possível equipar alguma joia do infinito, caso já tenha recuperado alguma delas de algum chefe. Equipar a joia do tempo no Hulk ou no Homem de Ferro, pode torná-los mais rápidos e com isso, verdadeiras máquinas de matar. Ou a joia do poder no Wolverine ou no Homem-Aranha para aumentar o dano de seus ataques. Esses são apenas alguns exemplos, mas você pode usar a estratégia que quiser. Lembrando que só é possível equipar uma joia. 
Assim como a quantia de vida do personagem, caso morra com algum deles durante uma fase, ele continuará inativo até que você 'reviva' ele com um item pra isso.

Que bonita essa pirâmide asteca no meio da floresta Amazônica!

Apesar de parecer um beat'em up, Marvel Super Heroes infelizmente não é! A Capcom optou por fazer um jogo de plataforma em 2D, o que pra mim foi um erro... Jogar com os heróis espancando os inimigos por ruas e caminhos mais amplos como dos jogos de briga de rua, seria muito mais divertido. O jeitão plataforma deixou o jogo um pouco travado, com o movimento dos personagens (que são grandes na tela) um pouco lento. Sem falar que às vezes, quando seu herói é atingido ele cai em câmera lenta, e isso irrita um pouco.
Além do mais, em momentos com muitos personagens na tela o jogo apresenta alguns slowdowns. Talvez se fosse um beat'em up - com a câmera um pouco mais afastada e personagens menores - isso não aconteceria.

Graficamente o jogo é muito bonito. Os cenários estão bem feitos e os sprites dos personagens são bem detalhados e grandes na tela, como já dito anteriormente. O que fica devendo nesse quesito é a falta de criatividade dos inimigos... Na grande maioria são clones malvados do Wolverine, Homem de Ferro, Hulk, Gavião Arqueiro, Visão e muitos outros... Apesar de serem grandes e detalhados também, são bem genéricos e é até bizarro de ver a gente com o Homem de Ferro batendo em outros Homens de Ferro fakes, por exemplo. Alguns vilões conhecidos dos fãs são chefões em alguns níveis, como Dr. Doom, Magus e Thanos; mas alguns chefes também são apenas clones malvados dos heróis.

A música é boa. Faz o feijão com arroz sem comprometer, mas também não faz nada demais pra surpreender. Os efeitos sonoros também estão na média, mas sem nada de grande destaque.
Dando uns tabefes no cosplay do Wolverine!

O jogo não é muito longo. São dez níveis no total, sendo nove fases com chefes e o último nível com a luta final. Vale citar que as joias são aleatórias e são encontradas em diferentes fases cada vez que se reinicia o jogo!
Marvel Super Heroes foi lançado já no fim da vida do SNES, por isso, pode ter passado despercebido por muita gente, mas é um jogo bacana que merece ser conferido.
Além dos probleminhas citados na análise, ainda acho que ficou faltando um modo multiplayer/coop, que poderia tornar o jogo mais divertido, apesar de torná-lo mais fácil do que já é!



NOTA FINAL: 7,5
TALVEZ SE A CAPCOM TIVESSE OPTADO POR FAZER UM BEAT'EM UP COM OS HERÓIS, TERÍAMOS UM JOGO AINDA MELHOR E MAIS FLUÍDO... MAS ISSO NÃO DESMERECE AS QUALIDADES DE MARVEL SUPER HEROES!
Plataforma:


Comente com o Facebook: