Star Fox 2 (SNES)

terça-feira, 27 de maio de 2008 Postado por Tristan.ccm

Gênero: Simulação/ Tiro


Fabricante: Nintendo


Lançamento: não lançado


Jogadores: 1 player


Star Fox (Star Wing, na Europa) foi um jogo que causou um enorme rebuliço ao ser lançado. Além da fama de ter sido o primeiro jogo com gráficos em três dimensões (apesar de ter um jogo do Atari chamado Zaxxon que dizia ser o primeiro, mas era risível), ele tinha uma história bem melhor do que a já batida salve-o-mundo-com-uma-nave, além de personagens que caíram no gosto dos fãs. Até hoje é considerado um clássico, tanto que a Nintendo nunca deixou um novo console sem sequências dele (por falar nisso, Nintendo, cadê o Star Fox do Wii, hein?).

Um sucesso tão grande tinha que gerar uma continuação, é óbvio. Depois de deixar o primeiro jogo da série na mão da Argonaut (que depois daria origem à Rare), a Big N decidiu ela própria trabalhar na continuação. O resultado foi esse jogo que era ainda mais revolucionário, colocando um pouco de estratégia entre as batalhas aéreas e introduzindo novos veículos. Mas vamos por partes:

Primeiramente, aqui você não é obrigado a controlar Fox McCloud, como em todos os outros jogos da série (inclusive os atuais). Você deve escolher uma dupla, onde o outro membro será controlado pela CPU, entre todos os membros da equipe Star Fox. Conforme o membro escolhido, você pilotará naves com habilidades diferentes: Peppy e Slippy tem naves lentas, porém resistentes e equipadas com recuperadores que enchem seu escudo na hora; Fox e Falco tem naves com velocidade e resistência medianas, equipadas com bombas; e as estreantes Myiu e Fay (que inexplicavelmente só aparecem nessa versão) têm naves fracas mas rápidas, com tiro duplo "de fábrica" e escudos que as deixam invencíveis por alguns segundos.

As missões não têm ordem fixa. Você vaga pelos planetas como quiser, livremente por um mapa onde não só suas naves como também as unidades inimigas se movem, sempre em direção a Corneria, o planeta que você tem de defender a todo custo (ele tem um contador de danos que se chegar a 100% é Game Over na hora). E não são poucos inimigos! As tropas de Andross podem lançar contra seu mundo naves tradicionais, destróieres equipados com canhões poderosos, mísseis nucleares ou até mesmo capturar o canhão orbital de defesa (Planet Cannon) e virá-lo contra Corneria. Além de dar conta dessas ameaças, você deve libertar os planetas do sistema invadidos pelo inimigo enquanto Andross tentará detê-lo com armas poderosas como a nave Hunter Phantrom e a serpente-robô Mirage Dragon. Isso sem citar a equipe Star Wolf, que era para estrear nesse game já com sua conhecida formação original (Wolf, Leon, Pigma e Andrew).

O mais legal, entretanto, é que sua querida Arwing sofre um upgrade nesse game, podendo ser convertida via botão Select num andador de combate, o Walker (semelhante aos andadores AT-ST de Star Wars). O controle deles era esquisito, onde o direcional o fazia andar de lado e as curvas eram feitas com os botões R e L. No começo é meio estranho, mas com o tempo você se acostuma e percebe que essa forma é essencial. Em algumas salas de bases inimigas, por exemplo, é preciso usá-lo para pisar em botões e abrir portas, no melhor estilo Zelda (por sinal, outra obra prima de Myiamoto-san!).

Você que, como eu, viveu na gloriosa época do Super Nintendo, deve estar se perguntando: "Caramba, que jogão! Mas por que eu nunca ouvi falar dele?". Acontece que ele foi desenvolvido em 1995, quando o glorioso SNES desfrutava de seus últimos dias de glória, se preparando para passar o bastão a seu sucessor, o Nintendo 64. Com os jogos de sua nova plataforma prontos para tomar de assalto o mercado (pelo menos essa era a esperança deles) e inclusive uma versão do Star Fox sendo desenvolvida para ele (o fabuloso Star Fox 64, em breve falarei dele aqui), a direção da Nintendo decidiu que lançar o Star Fox 2 seria temerário, pois o N64 iria acabar engolindo a novidade e o jogo não ia vender o esperado. A equipe da Big N decidiu abandonar o Star Fox 2 e concentrar forças na versão para N64. Uma pena, pois creio que as duas versões talvez pudessem ter coexistido e, talvez, ajudado as vendas uma da outra.

Mas nem tudo está perdido, pois algum abençoado funcionário de lá fez o jogo vazar na Internet, e hoje podemos jogá-lo nos emuladores (recomendo o Snes9x, pois o ZSNES costuma travar com ele). Quem conhece as versões mais novas não perca a oportunidade e jogue esse, pois o desafio é até maior, pois os mísseis não param de cair, o Star Wolf apela pra caramba e as fortalezas nos planetas estão sempre bem protegidas. Se você gosta de jogos de nave, é fã de Star Fox ou do SNES (ou, como eu, é tudo isso junto), não perca a oportunidade, baixe a rom e divirta-se!



NOTA FINAL: 8,5
UM JOGO DE NAVE BONITO, DIVERTIDO E RARO. VALE A PENA JOGAR ESSE GAME, NEM QUE SEJA PARA VER DO QUE O SNES ERA CAPAZ

Plataforma:


Comente com o Facebook: