Batman Returns(Master System)

terça-feira, 6 de outubro de 2009 Postado por Azrael_I


Gênero: Ação/Plataforma


Fabricante:
Aspect Co., Ltd.


Lançamento:
1992


Jogadores:
1






Aproveitando o recente lançamento de Batman: Asylum Arkham, resolvi falar de um dos jogos antigos do morcegão. Uma coisa engraçada com Batman Returns é que uma versão deste jogo foi lançada para cada uma das principais plataformas da época(Mega, Snes, Master e Nintendinho, além de uma versão para Sega CD, Atari Lynx e PC), todas as vezes em versões diferentes da mesma história, com jogabilidade, gráficos e afins diferentes em cada uma(ou seja, nenhum dos jogos é igual ao outro); coisa parecida aconteceu com outro jogo do morcego, The Adventures of Batman & Robin(Mega, Snes e Sega CD) com jogos diferentes para as plataformas.

Batman Returns segue a mesma história daquele filme meia-boca com Michael Keaton, Michelle Pfeifer e Danny DeVito: Batman deve enfrentar a Mulher-Gato e o Pinguim, que se candidatou a prefeito de Gotham e iniciou uma caçada ao morcegão. Na verdade, na versão de Master a história pouco importa(já que ela não é mostrada mesmo, ou seja, só quem viu o filme é que entende); no jogo, Batman deve passar por cinco fases nos diversos pontos de Gotham City, enquanto enfrenta a gangue de palhaços e aberrações de circo do Pinguim. A inovação maior neste jogo está justamente na dificuldade: cada uma das fases(exceto a última) é dividida em duas rotas, uma fácil e a outra bem difícil. No começo de cada fase o jogador pode escolher a rota que mais lhe agradar, e no caso de morrer e der continue ele pode escolher outra rota. Esta escolha de dificuldade no meio do jogo é um recurso pouco utilizado nos games, e felizmente foi muito bem aproveitado nesta versão de Batman Returns.

Os gráficos estão muito bons para o padrão do Master; os sprites estão bem feitos, é possível distinguir muitos detalhes na roupa do Batman(como o símbolo de morcego e o cinto de utilidades), ao contrário do que aconteceu com os jogos para Nes, em que Batman era monocromático. Há uma boa variedade de inimigos, todos tão bem detalhados quanto Batman(é possível até ver as costuras na roupa da Mulher-Gato); é possível até mesmo distinguir alguns detalhes mínimos, como as mãos do Batman se mexendo ao planar com a capa. A parte gráfica deste jogo na verdade seria simplesmente perfeita, se não fosse pelos cenários de fundo, ou melhor, a ausência deles; embora os prédios, plataformas e demais elementos das fases estejam bem desenhados, o fundo delas não apresenta quase nenhum detalhe, além dos cenários de alguns chefes simplesmente não existirem(só aparece um fundo preto).

A jogabilidade surpreende com a maciez dos movimentos e a variedade destes. Usar o bat-arpão é mais fácil que em quase todos os jogos do Batman para Mega e Snes(ainda bem, porque neste jogo é preciso se balançar mais do que em alguns jogos do Homem-Aranha). Mesmo com apenas dois botões, o Master pôde provar que é possível sim dar uma gama de movimentos bem-feitos a um personagem; Batman pode usar seu arpão(inclusive como arma contra inimigos mais altos) em três direções, para se balançar em um teto ou mesmo para alcançar uma parede ou plataforma e poder dali pular para outro lugar. Mesmo assim, de todo seu vasto arsenal, Batman tem um único batarangue para lutar contra os inimigos! Isso aumenta a dificuldade, uma vez que é preciso esperar o batarangue voltar para arremessá-lo contra outro inimigo(ou contra o mesmo). É possível também planar de uma plataforma a outra usando a capa, além claro de pular que nem macaco.

A parte sonora não chega a ser a melhor parte deste jogo, com a pouca capacidade do Master, mas pelo menos é adequada. Os sons de explosões e golpes estão bons, embora o barulho do Batman morrendo seja um pouco chato(o que por si só é um estímulo para o jogador se esforçar para não morrer, hehe). As músicas estão legais, embora neste ponto fiquem devedendo ao Batman de Nes. No campo itens, existe pouca variedade; temos apenas três itens(escondidos dentro de morcegos que ficam voando parados na tela), que só mudam a cor para identificá-los: símbolo do Batman azul, laranja e amarelo, cada um dando um "boot" nas habilidades de Batman. Vale lembrar que neste jogo não existe barra de energia, cada porrada que o Batman leva tira uma vida(o mesmo vale para os inimigos, exceto os chefes).

Batman Returns para Master não ficou tão famoso quanto as versões para Super Nintendo e Mega Drive, mas nem de longe deixa de ser um bom jogo; sua jogabilidade lembra muito a de jogos mais antigos, como Kage, mas com gráficos muito melhores. Apesar de ser um pouco curto, garante uma boa diversão e um desafio bem razoável, com suas fases de dificuldades variáveis.




EDIT DE ÚLTIMA HORA:

Procurando imagens para o tópico, acabei de descobrir que esta versão para Master System não passa de uma conversão MALFEITA(ao menos na parte gráfica) da versão para Game Gear! Os dois jogos foram lançados ao mesmo tempo mas, ao que tudo indica, o jogo iria ser lançado apenas para Game Gear e resolveram de última hora fazer um port para o Master. Seja como for, o jogo acabou perdendo em muito na parte gráfica(e isso porque os graficos da versão de Master foram a parte que eu mais elogiei neste jogo...), inclusive na altura do Batman, e possivelmente na parte sonora(na verdade, isto até explica a baixa qualidade sonora da versão de Master). Pra piorar, na versão de Game Gear TEM BARRA DE LIFE! Além de tudo ainda, o jogo perdeu totalmente a história, que É CONTADA NA VERSÃO DE GAME GEAR!!! Ao que tudo indica, a única parte que não sofreu problemas foi na jogabilidade, mas não sei, preciso jogar a versão de Game Gear e aí sim poderei fazer um bom parecer... Dependendo do caso, posso alterar completamente esta resenha e varrer a versão de Master pra debaixo do tapete. Imagens da versão de Game Gear, com a história(na última imagem, já no jogo, aparece a barra de energia, comparem com as imagens da versão de Master):


























NOTA FINAL: 8,0(perdeu 0,1 ponto pelo Edit)
UM GAME QUE ACABOU OFUSCADO PELO LANÇAMENTO DOS OUTROS COM A MESMA HISTÓRIA, MAIS A BAIXA CAPACIDADE DO MASTER EM RELAÇÃO AOS OUTROS CONSOLES QUE JÁ ERAM POPULARES NA ÉPOCA, MAS QUE MESMO ASSIM É BEM DIVERTIDO, PRINCIPALMENTE PARA OS FÃS DO MORCEGÃO. EDIT: PODERIA TER SIDO BEM MELHOR, SE FOSSE MAIS PARECIDO COM A VERSÃO DE GAME GEAR.
Plataforma:


Comente com o Facebook: