Microsoft Flight Simulator 95 (PC)

sábado, 26 de maio de 2012 Postado por Tristan.ccm


Gênero: Simulador de vôo


Fabricante: Microsoft


Lançamento: 1996


Jogadores: 1 player



Existem diversos jogos cujo objetivo é simular a realidade. No caso desse jogo, na própria embalagem o realismo era realçado. Mas será que a realidade pode, por si só, fazer de um jogo um sucesso?

Pois bem: desde a primeira versão (pasmem, é de janeiro de 1980 e rodava no Apple II!) o simulador de vôo de Bill Gates se vende como um programa que permite aos aspirantes a piloto sentir como é comandar uma aeronave de verdade. Controlar um avião na versão que testei (uma das primeiras a ter gráficos de verdade, e não um monte de linhas na tela), que é a sexta que foi lançada, realmente depende de várias coisas bem reais: para decolar, é preciso aumentar a potência dos motores, soltar o freio de estacionamento e acelerar pela pista, igualzinho num avião de verdade. Pousar também exige que você abaixe a potência e se lembre de baixar o trem de pouso, caso contrário era uma vez sua nave. Porém, o realismo acaba aí.

Na primeira vez que fui pousar, esqueci dos freios e passei do final da pista. Ela ficava numa espécie de ilha, e quando vi a água chegando, pensei que ia me arrebentar, mas o avião continuou taxiando... sobre as águas! É isso mesmo, o avião corre sobre qualquer superfície: água, terra, casas (apenas uma foto no chão, diga-se de passagem). Cadê a realidade agora? Foi aí que comecei a fazer testes e descobri que o jogo está a milhas da realidade: Quer dar um looping com um Boeing ? Sem problemas! Quer dar 680 Km/h num Cessna? Vai fundo!

Mas nenhuma descrição desse "jogo" seria completa sem falar de seus controles: eu tenho um joystick, e queria utilizá-lo para pilotar os aviões. Pois bem, a única coisa do joystick que funciona é o direcional: pra acionar os freios é preciso usar o teclado, e para fazer coisas como aumentar a potência e baixar o trem de pouso é preciso usar o mouse! Vai lembrar de tudo isso na hora de pousar numa pista escura! E o tal "realismo" na hora do pouso é uma piada de mal gosto: fui pousar um Boeing e, no meio-termo entre largar o joystick e usar o teclado pra acionar os freios, o avião quicou feito uma bola e voltou a voar, aí fui pegar o joystick pra tentar consertar e ele despencou, pois os motores estavam em baixa potência (que eu deveria ter aumentado com o mouse!). Qual a dificuldade que a Microsoft tinha em colocar um botão "configurar os controles" nesse jogo? Será que eles achavam que os jogadores poderiam se dar ao luxo de ter aqueles controles cheios de pedais, alavancas e o caralhoaquatro?

Tinha um escritor chamado Richard Bach que eu gostava muito, pois ele também era piloto de aviões e eu tinha esse sonho na minha infância. Jogando esse jogo, lembrei de seu conto "Aviação ou voar? Escolha.", onde ele falava da diferença entre pilotos profissionais e esportivos: Aviação era aquele cara que se gabava de almoçar churrasco no Rio Grande do Sul e jantar peixe num restaurante flutuante no Amazonas, tudo no mesmo dia; já Voar era o piloto cuja alegria eram os loopings, acrobacias e voos rasantes. Aplicando isso aos jogos, eu posso dizer: Flight Simulator é Aviação, se você acha Voar mais legal, vá jogar Star Fox, Sonic Wings, River Raid, etc., pois ali você pelomenos vai poder controlar o avião. Ele não vai ser realista, mas vai ser divertido!


NOTA FINAL: 4,0
FLIGHT SIMULATOR PODE ATÉ SER UM ÓTIMO SIMULADOR DE VOO, MAS JAMAIS SERÁ UM GAME DE VERDADE. COMO O PRÓPRIO RICHARD BACH DIRIA, NESSE JOGO VOCÊ NÃO PASSA DE UM MOTORISTA DE AVIÃO.
Plataforma:


Comente com o Facebook: