[Games em Foco] O Brasil nos games! (parte 2)

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011 Postado por P.A.

No [Games em Foco] anterior, nós conhecemos jogos que apresentavam fases no nosso querido país...
Agora vamos conhecer jogos brasileiros ou que tinham mais do que apenas um personagem ou uma única fase no Brasil!


Didi na Mina Encantada
Hey Psiitiii! Ô da pôtrona!
Até o cearense mais chato do planeta ganhou um jogo. Na verdade esse jogo é baseado no jogo “Pick Axe Pete!”. Só foi trocado o personagem daquele jogo pelo Didi...
Aqui Didi não faz aquelas piadinhas chatas que nem uma criança de sete anos dá risada e nem pega extintores pra fazer supostas pegadinhas enquanto seus amigos estão gravando as cenas.
Não!
Aqui ele tem que ir atrás de pepitas de ouro na Mina Encantada, como o nome do jogo sugere.
E por Deus quem desenhou a capa do jogo? Sério, tá muito bem feito!
Olha só, feio igual!


Diversos jogos da Tec Toy
A Tec Toy, empresa brasileira conhecida pelo seu excelente trabalho em nosso país como representante da Sega aqui em terras tupiniquins, também contribuiu com seus jogos para o público brasileiro.
Em alguns casos a empresa pegava jogos já prontos e apenas modificava colocando personagens conhecidos por aqui e em outros casos chegaram até a criar seus próprios jogos!
As aventuras da TV Colosso, Chapolim x Drácula, Turma da Mônica (3 jogos) e Sapo Xulé (3 jogos) foram alguns dos jogos modificados!
Já Castelo Rá-Tim-Bum, Férias Frustradas do Pica-Pau e Sitio do Pica-Pau Amarelo, foram jogos criados do zero pela Tec Toy! A empresa ainda portou Street Fighter II pra Master System e Duke Nukem 3D pra Mega Drive, em conversões bem porcas, diga-se de passagem.
Não vou entrar em detalhes um a um, pois senão o post ficaria maior do que já está!


Ayrton Senna Monaco GP
Pra quem não sabe, a Tec Toy foi grande responsável pela participação ativa do nosso campeão Ayrton Senna nesse jogo. Foi ela quem sugeriu a Senna que participasse e quem acompanhou e encaminhou todo o processo...
Mas o jogo foi todo produzido pela Sega!
O ídolo brasileiro participou ativamente da produção do jogo, evidenciando alguns erros do jogo e cobrando isso dos japoneses pra que fossem arrumados! Além também de emprestar sua voz para gravar frases em inglês.


Incidente em Varginha
Pra quem é mais velho, certamente vai se lembrar da história do E.T. de Varginha (cidade do sul de Minas Gerais). História essa de 1996, onde pessoas na cidade de Varginha afirmavam terem visto objetos voadores não identificados e mais... Haviam visto extraterrestres perambulando atrás de um pão de queijo pela cidade. Criaturas de pele marrom, com grandes cabeças e olhos vermelhos!
Se bem me lembro depois dessa história, o programa do Ratinho passou a evidenciar casos de aparições extraterrestres constantemente.
Ahh a televisão brasileira e sua programação fantástica!
...
A empresa brasileira Perceptum resolve lançar em 1998 um jogo baseado nesse fato. Mas o jogo se estendia para cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, além de Varginha, é claro!
Infelizmente o jogo era ruim demais e a empresa teve muitas dificuldades na distribuição do jogo aqui no nosso país. Estranhamente, o jogo foi bem mais comentado no exterior do que aqui!


Outlive
Mais um jogo totalmente brasileiro. Outlive era bem melhor que “Incidente em Varginha”, mas enfrentou o mesmo problema na parte de distribuição e não fez o sucesso esperado.
O jogo se passa num futuro distante onde, como todos sabem, os recursos da Terra se acabam e então os humanos se vêem obrigados a procurar recursos no espaço. E eles decidem ir pra Titã, um satélite de Saturno.
Uma guerra entre humanos, robôs e terrorista se forma durante a colonização de Titã e agora cabe a nós fazer as coisas darem certo...
De fato Outlive pode ser considerado como o jogo brasileiro mais bem sucedido e o mais bem feito também, pois o joguinho é bem bacana e bonito pros padrões da época. Achei alguns probleminhas mas falo deles num futuro review que pretendo fazer...
É inevitável não comparar Outlive como sendo o primo pobre de Starcraft.


Big Brother Brasil
Salve salve, navegantes da nave mãe chamada Big Brother!
Quem diria que um dos mais populares reality shows iria ganhar uma versão em game.
Lembro que um amigo meu tinha esse jogo na minha época do colegial e eu peguei emprestado pra conferir...
Sabe quando você num tem absolutamente nada pra fazer e topa qualquer coisa só pra não ficar à toa?
Pois é, foi por isso que peguei esse jogo emprestado... E por curiosidade também.
Mas logo devolvi pro meu amigo, porque o jogo é uma grande porcaria!
O lado bom do jogo é que não temos o Bial falando aquelas coisas non senses pra caralho e discursos de mais de dez minutos enrolando pra falar quem foi eliminado!
Esse jogo é uma versão piorada de The Sims, onde escolhemos um dos participantes da casa pra jogar e temos que nos entrosar com os outros moradores, lavar a louça, lavar roupa, varrer a casa e muitas outras coisas que farão sua popularidade subir com o público e você não ser eliminado! Mas se preferir pode ficar coçando o saco e nadando o tempo todo...
É eu sei que esse negócio de lavar a louça e tudo mais parece jogo da Barbie, mas é isso mesmo... Eu me lembro que fui eliminado do jogo rapidamente!
Não fui muito aceito pelo público, porque sou muito vagabundo e não cooperava com a casa!


Show do Milhão
Vai começar o Shoooow do Milhão!
O famoso jogo de perguntas e respostas apresentado por SS também ganhou uma versão em game! Lançado pra PC e também pra Mega Drive pelas mãos da Tec Toy.
No jogo, temos a voz do próprio Sílvio e a musiquinha tensa do programa, com algumas perguntas bem fáceis e outras nem tanto! A quantidade de perguntas até que é grande...
Além do apresentador o jogo ainda conta com as mesmas características do programa, como as ajudas oferecidas pro jogador. Cartas, universitários, placas e os pulos estão presentes no jogo!
O jogo é legalzinho, dá pra passar um bom tempo se divertindo, mas acho que esse tipo de jogo tem um problema grave: enjoa fácil.


Capoeira Legends
O mais recente jogo brasileiro criado pela empresa carioca Donsoft é alvo de elogios e críticas.
Sinceramente não cheguei a jogar Capoeira Legends e por isso não tem como opinar concretamente... Apenas vi imagens, vídeos e li algumas análises. Coloquei no artigo só pra lembrar mesmo e como forma de curiosidade...
Sobre o que vi à respeito do jogo, acho que a idéia é válida e tem meu total apoio quando alguma empresa brasileira se arrisca a lançar algum jogo, mesmo sabendo que em nosso país isso é muito complicado.
Por outro lado, acho que ficou faltando alguma coisa...
Não sei se na questão gráfica ou no contexto do jogo. A história não me agrada. Não é porque o jogo é brasileiro que precisa ser algo relacionado à nossa história, como capoeira e escravos.
Outlive era brasileiro e falava sobre coisas que em nada tinham a ver com a gente... Isso é ótimo pra mim! Sai dessa rotina de florestas e capoeira.
O jogo demorou seis anos para ser finalizado, contando desde sua concepção até o final. Acho tempo demais pra um resultado pouco satisfatório...
De todos os modos, é um pequeno mas importante passo pra nós, brasileiros. Espero que cada vez mais empresas se empenhem em criar jogos, e que deixemos de lado nosso preconceito com essa questão... Mas espero também que se aprimorem e que possamos contar com bons jogos nacionais.
Que tal um jogo brasileiro de zumbis?
Não coloquem zumbis na floresta lutando capoeira, por favor...



E essa foi a segunda parte desse [Games em Foco] sobre o Brasil nos games!
Na terceira e última parte, veremos os personagens brasileiros ou que talvez sejam brasileiros, até que provem o contrário...
See ya!
Plataforma:


Comente com o Facebook: