A Evolução dos Games: Metroid

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011 Postado por Tristan.ccm


Uma das mais aclamadas franquias da Nintendo, Metroid definiu o estilo "plataforma com exploração", unindo isso a um enredo que misturava Alien, Mario e Zelda. Todo jogo em que você anda por plataformas, indo e voltando em busca de itens, deve agradecimentos à saga da caçadora de recompensas Samus Aran. Muitos chegam a dizer que essa franquia, e não o portátil Game Boy, é que pode ser considerada a obra prima de Gumpei Yokoi.

Nesse capítulo eu falarei da evolução da série de um modo um pouco diferente, pois Metroid sofre do mesmo mal que muitas franquias, como Zelda e Castlevania: sua cronologia é uma bagunça só, com um jogo mais moderno contando a estória anterior a um game mais antigo. Assim, para dar ao leitor uma idéia de como foi a carreira de Samus, acompanhei cada jogo de sua posição na cronologia oficial da série, para que o leitor possa se situar no enredo. Espero, assim, não dar um nó na cabeça dos que nunca jogaram ou querem conhecer melhor as aventuras da primeira mulher protagonista de um game.

1- Metroid (NES - 1986)
Posição na cronologia: 1º




O primeiro jogo da série mostrava o que parecia ser um robô explorando um mundo tenebroso e hostil, mas provou ser muito mais do que isso. A liberdade de ir e voltar pelos cenários, coletando itens e derrotando inimigos, logo conquistou os jogadores, ainda mais quando descobriam que havia uma mulher por trás daquela armadura. Mesmo com as limitações técnicas do Nintendinho, o enredo, o cenário e o clima do jogo faziam o jogador sentir na pele como é explorar um mundo desconhecido.

Características:

- Primeiro jogo a ser protagonizado por uma mulher;
- Introdução do conceito de exploração livre das fases, onde é preciso apenas ter o item/habilidade necessário para prosseguir;
- Primeira aparição dos chefes Ridley, Kraid e Mother Brain;
- Introdução das cidades de Tourian, Norfair e Brinstar;
- Introdução do conceito "fuja-depois-da-morte-do-chefe", que se tornaria padrão para todos os jogos da série.

2- Metroid II - Return of Samus (Game Boy - 1991)
Posição na cronologia: 7º




Mesmo sem cores, mais um grande jogo da série. Após tantos problemas com Metroids e Piratas Espaciais, a Federação Galáctica decide que a única solução para o fim da ameaça é a extinção dos Metroids. Samus Aran é, então, enviada para o planeta SR-388 com ordens de não deixar pedra sobre pedra, e ela não se fez de rogada: chacinou todos os Metrois, menos um, que lhe daria ao mesmo tempo muita emoção e muita dor de cabeça.

Características:

- Primeiro jogo da série num console portátil;
- Primeiro jogo a usar save points (o de NES usava passords);
- Primeiro jogo onde se pode ver a nave de Samus;
- Único jogo da série em preto e branco;
- Primeira aparição das formas evoluídas dos Metroids (Infant, Alfa, Gama, Zeta e Omega).

3- Super Metroid (SNES - 1994)
Posição na cronologia: 8º




Para muitos, o melhor jogo da série. Foi o jogo que alavancou a carreira de Samus, e muitos o consideram o melhor game do SNES (pra mim, só perde para Chrono Trigger). O jogo expandiu o enredo já elaborado que a série e introduziu novas habilidades à heroína, e sua jogabilidade acabou inspirando muitos outros jogos, o que gerou o sempre criticado estilo "Metroidivânia".

Características:

- Primeiro jogo da série a ter um mapa dentro do jogo, acessível por menu;
- Primeira aparição dos chefes Phantoon e Draygon;
- Introdução das cidades de Crateria e da Weckred Ship
- Primeiro jogo da série onde se podia habilitar ou não os equipamentos encontrados no jogo;
- Único jogo onde Mother Brain usa mais de uma forma na batalha final.

4- Metroid Fusion (Game Boy Advance - 2002)
Posição na cronologia: 10º




Cronologicamente, é o último jogo da série. Anos após a chacina dos Metroids, Samus volta a SR-388, e descobre que uma raça que servia de alimento a eles, os Parasitas X, passou a se reproduzir descontroladamente. Ao ser infectada por eles, Samus perde seu traje (corrompido pelos parasitas) e quase morre, mas é salva por uma vacina feita à base de células de Metroid. Após se recuperar ela é enviada para investigar estranhas atividades numa colônia espacial em órbita de SR-388, e ali acaba se defrontando com sua pior inimiga: sua própria armadura, controlada pelos parasitas!

Características:

- Primeiro jogo onde Samus tem diálogos (no caso, com o computador de sua nova nave);
- Mudança no sistema de recarga de energia e armas (ao invés de apenas coletar esses itens, Samus se recarrega absorvendo parasitas derrotados);
- Primeiro jogo onde algumas áreas ficam inacessíveis após serem visitadas;
- Estréia dos chefes Yakuza, B.O.X., Nightmare e SA-X (este, na minha opinião, é o mais difícil de toda a franquia);
- Primeiro jogo onde há elementos de "Stealth", ou seja, fases onde não se pode ser visto pelo inimigo (no caso, o SA-X);
- Primeiro jogo onde a ação se desenrola num ambiente artificial (a estação espacial BSL), e não na superfície de um planeta

5- Metroid Prime (GameCube - 2002)
Posição na cronologia: 3º




O jogo marcou a estréia da série no 3D e sua reformulação como jogo de tiro, mas não abandonou as plataformas que fizeram sua fama. Aqui Samus se aventura investigando Tallon IV, planeta onde os Chozo também estiveram presentes. O grande assunto do jogo é o Phazon, substância radioativa com estranhas propriedades, inclusive dando a Samus uma nova armadura, que acaba se convertendo num novo inimigo.

Características:

- Primeiro jogo da franquia em 3D e primeiro com visão em primeira pessoa;
- Estréia do sistema de visores, uma evolução do X-Ray Scope de Super Metroid;
- Primeira aparição do chefe Meta Ridley

6- Metroid - Zero Mission (Game Boy Advance - 2004)
Posição na cronologia: 2º




O remake do jogo original deu aos fãs tudo o que o velho NES não podia. Ele mostrou o passado de Samus, seu carinho pelos Chozo (que a adotaram como filha) e também serviu para mostrar como a caçadora de recompensas conseguiu várias de suas habilidades. Ao mesmo tempo, serviu para preencher lacunas no enredo, que já começavam a se acumular devido à bagunça da cronologia.

Características:

- Cenários e músicas do jogo original completamente refeitos;
- Introdução da cidade de Chozodia e da Space Pirate Mothership, que segundo fãs deu origem à Weckred Ship de Super Metroid;
- Introdução da Zero Suit (o collant azul que Samus usa quando está sem sua armadura);
- Primeira aparição do chefe Mecha Ridley.


7- Metroid Prime 2: Echoes (GameCube - 2004)
Posição na cronologia: 4º




A continuação da série Prime colocou Samus em Aether, um planeta com duas faces distintas: Dark Aether e Light Aether. Qualquer semelhança com Zelda Link to the Past e seus dois mundos não é mera coincidência! Aqui, Samus investiga o desaparecimento da Equipe Bravo, mandada pela Federação Galáctica e que nunca mais deu notícias. O mais interessante aqui é que o mundo das sombras é venenoso para nossa heroína, uma dificuldade a mais para essa operação de resgate.

Características:

- Primeiro jogo da franquia com multiplayer (tela dividida);
- Primeira aparição da chefe Dark Samus (segunda, se considerarmos o final secreto de Metroid Prime).

8- Metroid Prime Hunters (DS - 2004)
Posição na cronologia: 5º




Considerado o primeiro "spin-off" da série, esse jogo coloca Samus numa corrida contra seis outros caçadores de recompensas. Seu objetivo, aqui, é impedir que a tecnologia bélica desenvolvida pela extinta raça dos Alimbic caia em mãos erradas.

Características:

- Primeiro (e até agora único) FPS portátil da franquia;
- Primeiro jogo da série com CGs pré-renderizadas;
- Primeiro jogo da série onde se pode controlar outro personagem que não seja Samus (no multiplayer, pode-se jogar com os outros caçadores de recompensas)

9- Metroid Prime 3: Corruption (Wii - 2007)
Posição na cronologia: 6º




O primeiro jogo da série na atual geração é o encerramento da série Prime. Samus novamente enfrenta seu clone das trevas, só que desta vez ela está, lentamente, sendo corrompida pela contaminação por Phazon, cortesia da rival. Ela até consegue usar essa energia por meio de um sistema de enriquecimento de Phazon, mas mesmo assim terá de lutar contra isso.

Características:

- Primeiro jogo da série a utilizar (muito bem, por sinal) um controle sensível ao movimento;
- Primeira aparição do chefe Omega Ridley;
- A engine desse jogo foi incorporada aos dois episódios anteriores da série Prime, na coletânea Metroid Prime Trilogy.


10- Metroid - Other M (Wii - 2010)
Posição na cronologia: 9º




O jogo mais recente da franquia divide opiniões: uns amam, muitos odeiam. A mistura de plataformas com tiro em primeira pessoa e os extensos diálogos fazem com que os fãs critiquem, e muito, esse jogo. Resta saber se isso irá influenciar uma possível continuação da série.

Características:

- Primeiro jogo onde Samus tem diálogos falados (em Super Metroid, no texto inicial, e em Metroid Fusion a heroína fala apenas por texto);
- Introdução da habilidade Concentration (que permite recarregar mísseis e energia);
- Primeira aparição real do personagem Adam Malkovich (que é apenas citado em Metroid Fusion);
- Primeiro jogo onde Samus não coleta novas armas (elas são autorizados por Adam durante o jogo).

========================================================================

Bem amigos, essa foi mais uma linha evolutiva de nossa série. Como sempre, o botão de comentários abaixo está à sua disposição para sentar o pau no Other M dar sua opinião. Obrigado e até o próximo post


Comente com o Facebook: